Texto - Diferente de Todas

Na Sobreda, existia uma família deveras famosa na comunidade. Nesta família, existia uma rapariga que, ao contrário de muitas outras, não gostava de brincar com bonecas, enfeitar o seu cabelo apanhado com muitas flores e de usar saias. Gostava de poder correr na rua com os rapazes da sua vila, ter o cabelo sempre solto, poder usar calças. O nome desta menina era Vitória. Era muito rebelde, mas muito simpática e muito bonita: tinha longos cabelos castanhos e grandes olhos azuis cor do mar. Vitória, apesar de rebelde, era educada, sensível e fofinha, era muito querida para todos os seus amigos.
            Esta menina tinha uma irmã gémea que era muito diferente (psicologicamente), a Sabrina. A sua irmã era uma menina muito feminina, ao contrário de Vitória, porque sempre que fazia uma asneira culpava a sua irmã, por isso os seus pais nunca suspeitavam dela e era considerada uma criança maravilhosa pelos outros, porque era tão bem-educada.
Quando Vitória cresceu, e já tinha idade de casar, andava muito desanimada por ter que ficar presa a um homem de quem nem sequer gostava, pois gostava de ser livre e amar quem quisesse e não quem não conhecesse. Para se animar, todos os dias, ia passear para uma velha propriedade muito bonita, que lhe dava dava uma sensação de paz e de ser livre à sua alma: o Solar dos Zagallos.
Num calorento dia de verão, Vitória caminhou nos jardins durante horas até que estava tão cansada que se sentou num dos bancos ao pé da fonte. Quando estava a admirar as belas árvores e flores, um belo e elegante rapaz que tinha cabelos castanhos e uns lindos olhos verdes, aproximou-se dela sorrateiramente e pregou-lhe um susto. Vitória gritou, e o rapaz que era ligeiramente mais alto que ela, pediu desculpa.
         Ao fim de algum tempo, começaram a encontrar-se no jardim dias seguidos, horas seguidas. Pedro ficou apaixonado por ela, pela maneira de ser dela, pela sua beleza, por esta ser diferente de todas as outras. Vitória também se apaixonou por Pedro.
Pedro e Vitória casaram e depois com os seus filhos iam todos os dias passear ao Solar dos Zagallos, a que chamavam o Jardim do Milagre, porque se não fosse este belo lugar, nunca se teriam conhecido, e não seriam tão felizes.
O Solar dos Zagallos sempre foi um sítio belo, é um sitio belo e quem sabe… se calhar podes encontrar o amor da tua vida lá também…


Trabalho realizado por: Joana Gil - nº12 -7ºB

Comentários